segunda-feira, 26 de maio de 2008

Não entre em pánico, nom!!! (or Why I´m lusist-reintegracionist)


Pasou-me por completo a celebraçom do II dia do Orgulho Lusista e Reintegrata.


Imperdoábel para umha persoa que mantém contactos ilícitos com o reintegracionismo, se bem que em Portugal iso nom acaba por ser de grande mérito. O ddoler celebra-se no 25 de maio, coincidindo com o Dia Internacional da Toalha (como tributo a Douglas Adams). Nada mais representativo de Portugal para @s galeg@s do que as toalhas que, nos anos 80 e por aí, montes e montes de famílias galegas punham como excusa para irem saborear um bacalhau à Fortaleza.

Foi precisamente aí, entre galos de barcelos e virgens de fatima, que @s futur@s militantes do reintegracionismo descobrem, abraiad@s, que aquelas persoas exclamabam "cona" e "caralho" tal como nós. Marca evidente, esta de referirmo-nos ás partes mais complementares dos nosos corpos, de que se trata da mesma língua. (se nom conheciam a teoria baixo-lingüística, há que reler a Chomsky, Sausure e outros. Que tendes moi esquecido o estudo!). Outras irrefutábeis provas da unidade lingüo-alveolar som a queréncia polos grelos no cozido ou os incendios forestais.


Este pasado domingo, voltando ao rego, decorreu umha multitudinaria manif que percorreu as ruas de Compostela (a organizaçom fala de arredor de 42 persoas, a policia declarou: "Dia da qué?") pedindo a internacionalidade do noso idioma e o grande abraço lingüístico que nos permitirá achegarnos a Marco Paulo ou outros ícones (mais outra raçom para o reintegracionismo, el@s nom falam de Marilyn como umha "icona sexual", lamentábel comfusom) entre outros ícones, falabamos, de masculinidade tuga. Quanto temos que aprender!


Dar os parabéns aos colegas pelo grafismo, que estaba dificil despois do desenvolvimento gráfico do ano pasado e a excelente escolha de cartaz. E lamentar a imposibilidade de asistir á mani-festa-acção. Queda para outra.


Asim que não entre em pânico, nom!. 25 de Maio, saímos do armário. (já estou nas pulgas para ver os vídeos...)

2 comentários:

Beatriz Pérez disse...

agora que nao moro mais em portugal tenho de ter uma vontade muito forte para nao chorar cada manha... depois de tomar duche.... colher a toalha e ler,feito em portugal....

Antuán disse...

Pois... o trauma do algodão, chamado pelos entendidos em psicologia. Mas tranquila, seguro que fazes algumha viagem pronto.